quarta-feira, 20 de maio de 2009

Dias em Sampa

Capa do livro de Otto..um clássico

Nesta última semana estive em São Paulo e percebi que apesar do trânsito, da poluição e dos demais defeitos de uma cidade grande, Sampa é um ótimo lugar para se estar. Sempre que viajo para lá, é uma correria, pois é reunião para um lado, para outro e nunca tinha tido a chance de realmente ver a cidade. Desta vez, tive dois dias para reuniões e depois um final de semana para descansar, ou melhor aproveitar o que a cidade oferece.
Quando cheguei, a temperatura estava 29 graus e eu demorava mais de uma hora para chegar no destino das reuniões. No dia seguinte, já fazia 16 graus e chovia. Sexta-feira...trânsito parado. Em cada taxi que eu entrava (e desembolsava uns bons reais) os taxistas ouviam aquelas rádios que falam as melhores opções para o trânsito. Sério, admiro muito quem tem este trampo...não é para qualquer um, e haja paciência.
Voltando de uma reunião no Bom Retiro, vi uma face de São Paulo que já ouvira falar mas ainda não tinha visto. A famosa cracolândia. Foi uma das coisas mais pesadas que presenciei...estava sem minha câmera, passei rápido, mas mesmo assim, não sei se teria coragem de fotografar alguém em uma situação tão forte e triste.
Já no dia seguinte, era sábado...o sol abriu e o frio deu as caras. Acho que estava pior que no sul! Tive a oportunidade de aproveitar o Ibirapuera e dei um pulo na Bienal. Foi uma das melhores coisas que fiz nos últimos tempos. O acervo de mais de 80 galerias do Brasil e de fora, estavam sendo expostos. Obras de arte, fotografias, quadros, intervenções, esculturas...me deliciei nas obras. E vi o trabalho de grandes mestres da fotografia... o moderno Vik Muniz, clássicos Jean Manzou, Thomaz Farkas,Hans Flieg e meu preferido Otto Stupakoff. As fotografias destes últimos pertencem ao acervo de Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro. Me encantei com a história e com os cliques de Otto..o cara era um mestre. Comprei um livro dele e me apaixonei mais ainda pelo seu trabalho.
Voltei da Bienal energizada e vi uma São Paulo colorida, sem trânsito e muito hospitaleira. Sempre achei o povo paulista simpático. Tenho muitos amigos em Sampa e gosto de trabalhar com paulistas. Acho que nós gaúchos temos a tendência de ser mais fechados. Às vezes passamos por grossos, mas muitas vezes é apenas timidez. Mas, felizmente, acho que não sou mais assim há tempos!

Um comentário:

Bruno disse...

Pois é, Manu!
Depois de 7 anos morando em Floripa vim para São Paulo. Estou aqui há 2 meses e estou adorando. A cidade nos oferece oportunidades inúmeras. E há boas ondas a uma hora daqui!
Também sou gaúcho. De Porto Alegre.
Parabéns pelo blog. Transmite tuas experiências de forma agradável.